Seguro-fiança no aluguel de imóveis: como funciona?

Uma mulher mostrando um papel para um casal que está de braços dados

Você precisa alugar um apartamento, já escolheu o ideal para você, mas ainda não pode alugar porque não encontrou um fiador. O desconforto em solicitar esse favor para um conhecido, atrelado à angústia de perder o imóvel para outro locatário nesse meio tempo afetam muitas pessoas.

Pode parecer pura burocracia, mas o locador precisa da segurança de que não haverá inadimplência. Ao mesmo tempo, você deseja um lar e já encontrou aquele do jeito que imaginava. Pois o seguro-fiança existe exatamente para esse tipo de situação.

Vamos contar logo a seguir o que é e em quais situações o seguro-fiança é utilizado.

O que é seguro-fiança

Esse é um serviço oferecido por seguradoras, cujo intuito é dispensar a presença do fiador e, ao mesmo tempo, garantir o pagamento do aluguel. O segurador passa a ser o inquilino, enquanto o proprietário, no caso, passa a ser o segurado. A vigência da apólice tem o mesmo período do contrato de locação (podendo ter validade de um ano também, em alguns casos).

O pagamento é realizado mensalmente, como uma espécie de prestação. A notícia boa é que a maior procura por esse serviço promoveu mais competitividade entre as seguradoras, e consequente queda no preço do serviço oferecido.

Você deve estar se perguntando: “afinal, quanto custa?”. Na verdade, depende de seguradora para seguradora, mas varia entre uma a duas vezes e meia o valor do aluguel. Atualmente o valor mais barato do mercado é 15% do valor do aluguel por mês. A análise de crédito do locatário é um dos fatores que podem impactar no valor cobrado, que costuma ser parcelado em até 12 vezes.

Além da cobertura básica do plano — pagamento do aluguel —, podem ser contratados serviços adicionais, como cobertura do valor do condomínio, IPTU, luz, danos ao imóvel e outras. O proprietário do imóvel é quem decide o tipo de cobertura do seguro-fiança, bem como as taxas a serem protegidas pela apólice.

Um dedo e uma mão segurando uma caneta apontando para um papel

Em quais casos devo utilizar o seguro-fiança?

É claro que essa não é a melhor alternativa em todos os casos. Mesmo sendo utilizado para locação de imóveis urbanos residenciais, imóveis comerciais e não-residenciais (como consultórios médicos, por exemplo), é preciso ponderar.

Essa modalidade é mais utilizada quando o locatário possui urgência em alugar, não encontrou fiador algum e possui renda entre 3 e 4 vezes o valor do aluguel (pois essa é a média determinada pelas seguradoras como condição para contratar o serviço) ou simplesmente têm fiador, mas preferem alugar o imóvel sem depender de alguém. Lembre-se de que esse valor não é devolvido no final do contrato. Lembre-se de que esse valor não é devolvido no final do contrato.

Então, se você precisa de uma análise mais ágil do contrato de locação, não quer dor de cabeça para achar um fiador e tem urgência para se mudar, o seguro-fiança é ideal para você.

Se você está procurando por uma moradia e já considerou a possibilidade de comprar um apartamento, mas não sabe se ainda é viável, neste artigo O que é melhor: alugar ou comprar um imóvel? tiraremos suas principais dúvidas. Confira!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cadastre-se para receber nossos conteúdos:

Agradecemos sua inscrição!